Socorro! Preciso parar com True Blood – parte I | Spoilers

Socorro! Preciso parar com True Blood – parte I

O artigo a seguir contém detalhes da trama das cinco primeiras temporadas de True Blood.

“God, grant me the serenity to accept the things I cannot change,
The courage to change the things I can,
And wisdom to know the difference.”

Acho que faz menos de 2 meses. Foi num feriado que passei gripada e descobri a série toda dando sopa no Net Now. Foi assim que dei play em True Blood e nas últimas duas semanas fui arrastada pra incrível micareta sobrenatural que rola em Bon Temps, Louisiana, onde o vampiro Eric é sexy demais para ter uma expressão diferente desta:

Ao assistir 5 temporadas em maratona você descobre que não é somente a expressão do Eric que não muda – a mesma coisa acontece com a estrutura de núcleos da série, que mais parece uma cadeia de causas e consequências nada lógica.

1º núcleo: os Humanos Caipiras

True Blood se passa no estado de Louisiana, historicamente conhecido por ser extremamente racista e berço dos grandes caipiras, retratados pela série como ignorantes, mesmo. Muitas vezes fanáticos religiosos ou viciados. Todo o núcleo humano está fortemente conectado à uma crença ou a um vício: da Tara e sua mãe alcóolatra-exorcisada-atual-mulher-do-pastor até os pais crentes da Jessica. E todo personagem humano não tão religioso passou por uma fase de vício, como Jason e o Xerife Bellefleur, com V, ou Terry. Há uma constante busca em algo para acreditar naquela cidade onde não se tem muito o que fazer. A necessidade é tanta que a cidade passou a 2ª temporada inteira em transe.

A natureza “caipira” era no começo apenas uma camada contextual para os personagens, mas conforme a evolução (?) da trama, conseguimos enxergar suas influências nos mais altos escalões – passando pelos Hate Groups contra vampiros, metamorfos e afins, à Irmandade do Sol que, de uma pequena seita religiosa com planos loucos, acabou sendo integrada ao governo e montando uma estrutura nazista para eliminar todos os vampiros da terra.

Entre toda a loucura e problemas dos núcleos sobrenaturais, são as decisões, reações (ou surtos) dos humanos que são o fio condutor da história (se é que True Blood consegue ter um fio condutor), onde todos os não-humanos tentam se adaptar às exigências, regras, e às leis deles.

2º núcleo: Vampiros

Temos que partir do princípio que todo vampiro é extravagante. De alguma maneira, assim que eles se transformam, eles enlouquecem – e nenhuma decisão, percepção, conclusão e ação é normal. Tendo isso em mente, até o momento conseguimos identificar 3 tipos de comportamento vampirístico, que se definem conforme a atitude do vampiro em relação à sua alimentação:

a – Vampiros que querem conviver com os humanos pacificamente: É assim que conhecemos Bill Compton, “veggie” que só se alimentava de Tru Blood e estava determinado a conviver com os humanos como igual. Até casar com uma humana ele quis! Tava bem intencionado o coitado, até que a política, a economia, o tesão o fez mudar de idéia. Durante todo o seriado vamos notando que essa atitute é só um discurso fraco (que morre rápido, junto com Godric-o-vampiro-fantasminha-camarada no sol). Quando membros da “Autoridade” consomem sangue humano a rodo, todo o argumento da convivência cai e a série o abandona para sempre. A escolha final para acabar de vez com o argumento se dá quando o Bill resolve destruir as fábricas de Tru Blood.

b – Vampiros que não querem conviver com humanos: aqui entram todos os vampiros loucos da série como Lorena, Russell, etc. Eles estão aí para mostrar (de forma bem canastrona) que são predadores. Não há muito o que falar sobre eles. Sua função é derramar sangue e virar uma meleca vermelha quando morrem.

c – Os no muro: esses sim fazem a diferença na trama porque são liderados por Eric. Eles se adaptam a favor de seus interesses. O fato de se alimentarem de pessoas ou sangue sintético não é mais o problema. Esse pessoal do muro só não quer ser incomodado por vampiros surtados. Assim Eric carrega Pam, Nora, Jessica e Tara neste grande jogo de adaptação. O objetivo aqui é ser o que eles são sem serem incomodados.

É isso que você precisa saber sobre eles. Vampires gonna vampires e ponto.

(To be continued…)

[Crédito das Imagens:  Reprodução/HBO, Tumblr]