Narcos: a excelência do drama histórico possibilitada pela Netflix | Spoilers

Narcos: a excelência do drama histórico possibilitada pela Netflix

Neste fim de semana você vai dar play em Narcos e vai encontrar um ambiente muito familiar: Wagner Moura, um narrador, imagens aéreas de uma favela, direção do José Padilha, traficantes.

O que eu quero que você tenha em mente após dar play é: não desligue e não fale “Ah, é Tropa de Elite em espanhol com uns gringos americanos”. O que você vai ver em sua tela é um primoroso relato sobre uma história que é uma lenda, mas da qual há pouco detalhes distribuídos fora da Colômbia, especialmente aqui no Brasil e no resto do mundo.

Dar play nessa série é avaliar a capacidade da Netflix em investir em contar historias diferentes, novamente com temas e personagem que são poucos representados na cultura pop. Com Orange is the New Black, Sense8  e agora Narcos, pluralidade vem sendo um adjetivo que podemos usar ao falar do catálogo de produções originais da Netflix.

Mas vamos falar de Narcos. A série é baseada nas atividades de Pablo Escobar, narcotraficante dono da maior rota de exportação de cocaína do mundo nos anos 80, e é passada e filmada inteiramente na Colômbia.

O que você vai encontrar nessa série:

1) Um traficante vilão

narcos-wagner-moura-poster

Pablo Escobar, ou Wagner Moura gordinho :P

Ao contrário do que acontece em como Breaking Bad, The Sopranos e Sons of Anarchy, Pablo Escobar não é um anti-herói. Muito pelo contrário, rapidamente você vai perceber que Escobar e seu esquema são um veneno que percorre o país, uma praga com raízes muito profundas.

A TV, principalmente Breaking Bad, nos fez esperar que traficantes vilões sejam soberbos, ostentadores, uma grande caricatura da violência. Mas a surpresa deste vilão é a excelente retratação por Wagner Moura.

Para entender o Pablo que está em Narcos, conversei com Wagner Moura na semana passada para saber como foi entrar nesse personagem que foge do estereótipo de vilão (ver vídeo abaixo). Moura nos conta que todo seu estudo foi baseado em muita literatura colombiana sobre Escobar. Por meio da pesquisa que ele entendeu a figura calma e familiar do traficante, às vezes até bonachão e romântico. A partir daí pode também transmitir em sua atuação toda a frieza que Escobar tinha para tomar as decisões que fizeram dele um nos maiores terroristas da América Latina.

2) Extensões do vilão

Escobar se apresenta como onipresente, pois tem olhos e ouvidos em toda Colômbia uma vez que compra polícia, governo e imprensa. É sabido que todo o país trabalha para ele. Mas como um único homem poderia ser capaz de controlar tantas esferas diferentes?

Assim você conhece Gustavo, primo de Pablo, e Valeria, jornalista mais influente da Colômbia na época. Ambos não eram funcionários de Pablo, e sim extensões que traziam informações, o aconselhavam e até desafiavam. A série nesse ponto é cuidadosa em desenvolver esses personagens não apenas em função de Pablo, mas com plots independente interessantes. E esse é um bom argumento para você que estava pensando que iria ver mais uma produção girando em torno de um Capitão Nascimento.

Valéria Velez

JUAN PABLO RABA stars in NARCOS. NARCOS S01E01 "Descenso"

Gustavo, primo e sócio de Pablo.

3) Uma testemunha

Falando em Capitão Nascimento, vamos falar do narrador desta história: o Agente Murphy, interpretado pelo Boyd Holbrook, que é a voz que te seguirá em todos os episódio, explicando didaticamente todo o contexto e acontecimento daquela história.

Murphy é o DEA que vai para a Colômbia para extinguir o tráfico de cocaína para os EUA de vez. Seu parceiro lá é o agente Peña – Pedro Pascal, de Game of Thrones – também americano, mas muito familiarizado com o local.

26130803514282

Dupla dinâmica do DEA: Peña e Murphy

Eles estão representando os EUA, junto com todos os funcionários da embaixada americana que se envolveram com o caso, mas você percebe que eles são muito mais testemunhas do que salvadores da pátria. O que é um alívio porque evita a narrativa onde o homem branco americano chega e dá ordem às coisas. Ou pior, uma trama onde o governo americano vem, age pelas costas do governo local e é aplaudido por isso (estou falando com vocês, Argo e Homeland).

4) Guerreiros

Então? Quem combate Pablo? O Governo Colombiano.

Conversando (e gastando todo meu espanhol, como você pode ver no vídeo no fim do post) com Juan Pablo Raba e Stefanie Sigman, que interpretam Gustavo e Valéria, eles ressaltaram e agradeceram o cuidado que os roteiristas tiveram em também trazer para a história o Coronel Castillo e o Presidente Cesar Gaviria de forma ativa, para mostrar todos os esforços da época para conter o cartel de Melledín. Um cuidado refinado, equilibrado na medida certa para não transformar Pablo Escobar em um anti-herói.

Presidente Cesar Gaviria

Presidente Cesar Gaviria

A história de Pablo Escobar por muito tempo foi contada em fragmentos e elevada ao mito, o que torna Narcos uma produção de grande importância histórica para a América Latina. Esse equilíbrio entre ficção e documentação da realidade só poderia ter atingido pela mão de José Padilha, que com sua maneira ultra didática, sem mistério, em ritmo constante e documental, trouxe a luz um período obscuro da história da região. Ele e a Netflix estão de parabéns por desbravar tanto o tema quanto a região colombiana e seus talentos.

Veja nossa entrevista com Juan Pablo Raba e Stefanie Sigman:

Vai contando nos comentários como está indo a sua maratona da série!

[Créditos imagens: Divulgação/Netfix]