Uma conversa com Laverne Cox, a Sophia de Orange is the New Black | Spoilers

Uma conversa com Laverne Cox, a Sophia de Orange is the New Black

O texto a seguir contém spoilers pontuais sobre a terceira temporada de Orange is the New Black.

A terceira temporada de Orange is the New Black se distanciou da narrativa apoiada em vilão da segunda temporada e com isso fez um bom trabalho envolvendo um maior número de personagens em pequenas subtramas e dando espaço para todas. Ainda assim, Sophia Bursett, interpretada por Laverne Cox, foi um dos grandes destaques – e uma das personagens que mais nos faz ansiar pela nossa volta ao presídio de Litchfield quando episódios novos chegarem à Netflix no ano que vem.

Na última terça-feira (23), a atriz conversou com o Spoilers e outros jornalistas da América Latina por telefone sobre a história de Sophia na temporada, a relação da personagem com a família e as situações da série que refletem problemas reais vividos por pessoas trans em prisões todos os dias.

laverne-cox-plays-hairdresser-sophia-burset

Sophia fez parte do arco principal da temporada que discutiu a maternidade num microcosmo em que mulheres são afastadas do convívio familiar e forçadas a fazer concessões para não perder seu papel enquanto mães, irmãs, filhas e esposas. Deixada de lado na segunda temporada, Sophia voltou a brilhar enquanto lidava com o filho, um adolescente cada vez mais fora de controle que acabou sendo indiretamente responsável por uma reação preconceituosa e violenta de parte das prisioneiras.

Quando questionada sobre a representação ainda mais humana de sua personagem, uma mulher transsexual que se move entre os papéis de ex-esposa e mãe, Laverne não hesitou em defender as reações emocionais de Sophia diante das aflições. “Eu acho que quando pais querem proteger seus filhos, todos as emoções aparecem, e a raiva é uma parte disso. Qualquer um que está tentando ser pai e não está presente sente raiva, desapontamento e medo”, diz. Para ela, Sophia está saturada de emoções e preocupada com seu filho, que está crescendo e ignorando sua autoridade.

Ao perguntarmos sobre como o filho de Sophia foi importante para tirar a personagem de seu pequeno salão e envolvê-la dramaticamente no centro do drama, Laverne foi categórica ao concordar que “o papel da Sophia como mãe é o que dirige os eventos da temporada.” Para a atriz, foi o desejo de proteger o filho que a levou a entrar em conflito com Gloria, o que desencadeou a série de tristes eventos que incluíram um ataque violento e o isolamento na solitária. “Parte do que acontece com Sophia vem do fato do sistema ter várias falhas e ser profundamente corrupto”, pontuou Laverne. Para ela, é essencial que a identificação com a personagem seja universal. “Ela é uma mãe quer quer proteger seu filho a todo custo – todo mundo que tem um pai ou um filho entende isso.”

OITNBS3_30OCT14_WHILDEN_0028.NEF

Sobre a cena em que Sophia é brutalmente atacada por colegas da prisão, Laverne disse não ter se preparado especificamente para o momento. “Tenho minhas próprias experiências com violência, infelizmente, e as usei para atuar”, revelou. “Lamentavelmente, a violência é algo presente na vida de pessoas trans.”

Embora o fato de ser uma atriz transsexual suscite uma série de perguntas que sobrepõem sua vida pessoal e os personagens que ela encarna, Laverne não acredita que mulheres trans devem fazer apenas papéis escritos dessa maneira, e problematiza: “Já fiz papeis que não foram escritos como trans. Me pergunto se o ato de eu fazer o papel torna o personagem trans. Por exemplo, o fato de eu ser negra, e estar no papel, transforma a personagem em uma mulher negra, não é?”. Um papel que ela sonha em interpretar é Lady MacBeth. “Eu só quero fazer personagens interessantes, complicados e que me desafiem”, diz.

Quando não está atuando, Laverne assume uma posição do outro lado das câmeras na produção do documentário “FREE CeCe”. O projeto narra a história de CeCe McDonald, uma mulher trans presa em junho de 2012 ao matar um homem que a atacou durante uma briga de bar. Entrevistada por Laverne, CeCe reconta os eventos que a levaram para a prisão sob a ótica de alguém que foi punida por se defender.

O projeto, considerado um possível marco no ativismo trans, fez Laverne questionar seu papel enquanto uma das mulheres trans mais visíveis nos EUA. “Ainda estou tentando entender qual é meu papel. Eu não sou mais quem eu era três anos atrás”, reforça a atriz. “Eu quero crescer com artista, me desafiar criativamente, melhorar no meu emprego, que é de tempo integral. Sou uma artista primeiro, e uma ativista na sequência. Eu não tenho certeza de onde eu estou agora, mas o filme é minha forma de ativismo.”

Ao ser questionada sobre os rumos da sua personagem na quarta temporada de Orange is The New Black, Laverne não entrega o ouro e disfarça um sorriso do outro lado da linha: “Eu espero que dê tudo certo para ela. Eu amo a personagem demais, essa série é incrível pra mim, e interpretá-la é uma alegria. Eu ainda não sei o que vai acontecer, mas eu sei que vai ser bom!”.

[Crédito das imagens: Divulgação/Netflix]