“Esta noite jantaremos no inferno” | Spoilers

“Esta noite jantaremos no inferno”

O post a seguir contém detalhes sobre a trama do season finale de "Grey's Anatomy".

Ontem planejei um experimento, mas tive medo de não dar conta sozinho. Com a desculpa de um jantarzinho em casa, atraí uma vítima grande amiga para uma armadilha que envolvia assistirmos o final de uma série que abandonamos na mesma época.

Esperando apenas uma noite de papo furado, ela mal pôde conter o pavor quando avisei que abriríamos duas garrafas de vinho e assistiríamos o season finale de Grey’s Anatomy.

“Mas por que?”, ela perguntou já preparando a taça, ciente de que escapar não era uma opção. “Mas por que não?” foi a melhor resposta que pude dar já entornando o primeiro gole. Desceu amargo e pelo lado errado. Tanto ela quanto eu acompanhávamos Grey’s com fervor religioso. Mas, nos últimos anos, o que antes era nosso “lugar feliz”, se transformou num altar de frustração.

De pessoa mais bonita da turma de 2005 para aquela que você tem medo de encontrar na rua em 2013, a série caminha para a décima temporada e segura os fãs com uma espécie de Síndrome de Estocolmo televisiva. A estratégia de venda é “Você chegou até aqui, por que não continuar nesse cativeiro tão aconchegante?”

Com duas taças de vinho em mãos, e a esperança de que os primeiros goles amaciassem o drama, fomos em frente. Play!

Entra o famoso monólogo de abertura, não sabemos se sentimos ou não saudades disso. “Tudo o que podia dar errado dá errado. Essa é a filosofia da Meredith? Parabéns, Mer. Não sentimos saudades disso”.

A novelinha “Cristina e Owen: Amor e mágoas” continua. A nova-velha briga sobre ter ou não um filho é interrompida. Meredith vai dar a luz! “Ela conseguiu engravidar? Mas ela não queria engravidar!” “Esse bebê vai nascer com Alzheimer, ela não aprende”.

Bailey em cena e ela continua desafiando as leis da física e pegando os caras mais bonitos da área da Saúde. Mas pelo jeito, todo mundo agora manda na Bailey. Ela deve ter esquecido uma camisinha no estômago de algum paciente ou algo assim. Punição por ter redescoberto a própria sexualidade. Grey’s Anatomy, você não muda.

“Quem é essa piranha com a Arizona?”, gritamos. Não sabemos o nome dela, ninguém menciona o nome em momento algum. Pergunta que tinha aparecer: “O que aconteceu com a menina africana?” “A Meredith devolveu ela agora que ela ficou grávida?”

Acaba a luz no Seattle Grace ou seja lá o nome que rebatizaram esse hospital. Deus está mesmo irado com a Meredith procriando. “Até o SUS tem geradores, gente. Eles querem que a gente acredite nisso?” Querem. “Bebe mais um pouquinho”.

Olha só quem apareceu! Karev está namorando… uma vítima de abuso doméstico? “Mas claro que ele está”. Nova rodada de dramas: Cristina não quer operar no escuro. “Coloca uma arma na cabeça que ela opera que é uma beleza”. “Isso realmente aconteceu!” “Lembra?” “Preferia não lembrar”.

O bebê precisa de um nome. Sebastian Sheperd? “A Meredith quer que o filho seja personagem de novela erótica?” “Melhor do que virar cirurgião nesse universo, porque…” BOOM! Um ônibus vindo de uma igreja explodiu em frente ao hospital! “Abre a segunda garrafa já. ”

Piranha sem nome na espreita entre Karev e Arizona. Ugh! “Vira o vinho!” Karev descobrindo que é amaldiçoado, com nove anos de atraso. Karev sempre foi o mais lento dos residentes.

“Vamos apagar as lanternas e operar no escuro”, sugere o chefe. Boa, chefe! Menina do abuso doméstico voltou, super otimista. Ela definitivamente chegou agora nessa série. Enquanto isso, Bailey anda pra lá e pra cá, perdeu o mojo.

Falando em ausências: Cadê os bombeiros? Shonda matou todos os bombeiros de Seattle para garantir que o drama se concentre no hospital. “Pior hospital! Um brinde”

Começa uma música dramática. “Vira a taça que alguém vai morrer. É agora. Isso não é um treinamento!” BOOM! Jackson acaba de… explodir? Corrida em câmera lenta pelo pior-hospital-do-planeta só para descobrirmos que o Jackson sobreviveu. Será que ninguém vai morrer nesse episódio? Estamos desperdiçando todo esse vinho?

Falamos cedo demais, Shonda matou o eletricista enquanto ele consertava o gerador do pior-hospital-do-planeta. “Calma. Ele tá vivo, o chefe salvou ele”. Obviamente o chefe vai morrer porque Grey’s é como Premonição, se você salva alguém da morte, ela vem te pegar.

“Jackson sem camisa. Bebe.” Meredith sobreviveu ao parto. A série não precisa mudar de nome na proxima temporada! “Acabou o vinho.” “Estamos no inferno! Isso não vai terminar.”

Kepner, o alívio cômico, confessando que está  querendo o Jackson. Surpresa, surpresa. E, Cristina no velho papinho “eu amo operar, amo o bisturi.” “Casa com o bisturi, Cristina. E deixa o Owen pra gente.”

Ora, ora, Zola apareceu! E o nome do filho da Meredith é Bailey? Ugh.

Música dramática, câmera lenta, Meredith fazendo a contagem de vítimas e é agora, alguém tem que ir. Quem? Eis que o chefe morreu eletrocutado (?) enquanto ninguém estava olhando. Pior-hospital-do-planeta. Pior série! “Eu não consigo nem me importar com esse final”.

“Podia ter sido pior, vai”. Podíamos ter jantado assistindo Hannibal enquanto debatíamos qual é o gosto da carne humana. Mas ok, isso fica para uma outra armadilha noite.

[Crédito das Imagens: Divulgação/ABC]